A arte naïf no século XX e seus principais artistas

A arte naïf no século XX e seus principais artistas

A arte naïf e os artistas que a criaram tornaram-se bem conhecidos na Europa no início do século XX.

Quem eram esses artistas e qual era o seu passado? Para descobrir, temos que voltar o relógio e ver a história da arte naquela época.

É interessante que, durante grande parte do século anterior, os próprios artistas naïf parecem ter atraído menos atenção do que aqueles responsáveis por “descobri-los” ou divulgá-los.

No entanto, isso não é incomum.

Afinal de contas, os artistas naïf poderiam nunca ter chegado a terem suas obras apreciadas pelo público se não fosse pelo fascínio que outros jovens artistas europeus do movimento de vanguarda tinham por seu trabalho — artistas avant-garde cujo próprio trabalho agora, na virada do milênio, também passou para a história da arte.

Desta forma, não devemos considerar a luz lançada sobre obras de artistas como, por exemplo, Henri Rousseau, Niko Pirosmani, Ivan Generalic, André Bauchant, Heitor dos Prazeres ou Louis Vivin sem referência, ao mesmo tempo, às ideias e estilos de mestres reconhecidos como Pablo Picasso, Henri Matisse, Joan Miró, Tarsila do Amaral, Max Ernst e Mikhail Larionov.

Mas, claro, fazer essa referência em si apresenta problemas.

O trabalho dos artistas naïf

Quem foi influenciado por quem, de que maneira e qual foi o resultado?

O trabalho dos artistas naïfs coloca tantas questões desse tipo que, sem dúvida, os especialistas ainda tentarão desvendar as respostas por um bom tempo.

A principal necessidade é estabelecer para cada um dos artistas naïfs quem ou qual a principal fonte de inspiração.

Isso deve então ser localizado dentro de um quadro que expresse a relação do artista com a arte acadêmica “oficial” ou “clássica” do período.

Por mais difícil que seja o avanço em tais pesquisas, as questões são ainda mais complicadas pelo fato de que tais questões podem ter mais de uma resposta — e, de qualquer modo, cada resposta pode estar sujeita a diferentes interpretações por diferentes especialistas.

A situação se complica ainda mais com o passar do tempo, afinal, os trabalhos de artistas naïfs até então desconhecidos estão vindo à luz, alguns deles dos primeiros dias da arte naïf, alguns deles relativamente contemporâneos, e muitos deles com características ímpares.

Sua arte pode adicionar à nossa compreensão do fenômeno da arte naïf ou pode mudá-lo completamente. Só por essa razão, simplesmente não seria viável chegar a uma apreciação da arte naïf que fosse bem definida, completa e estática.

Neste pequeno exercício, portanto, contemplaremos apenas aqueles exemplos excepcionais — ainda que extraordinariamente diversificados — de arte naïf que realmente constituem ponteiros em direção a um estilo genuíno, uma direção autêntica na representação pictórica, ainda que atualmente pouco conhecida.

É difícil — talvez até impossível — quantificar a influência de Henri Rousseau, Niko Pirosmani e Ivan Generalic em artistas “modernos” profissionais e nas obras de arte que eles produzem.

A razão é óbvia: os três não pertenciam a nenhuma escola específica e, na verdade, não trabalhavam com um sistema específico de arte.

É por essa razão que eruditos genuínos da arte naïf são um tanto indecifráveis.

Afinal, é difícil encontrar qualquer elemento básico, qualquer fator consistente, que una sua arte e permita que ela seja estudada como um fenômeno coeso.

arte naïf henri rousseau
The Dreams – Henri Rousseau, 1910.

Principais obras de artistas naïf

Cada estudante de arte sente uma compulsão natural para tentar classificar os artistas naïfs, para categorizá-los com base em algum recurso ou características que eles têm em comum.

O problema disso é que os artistas naïfs — como mencionado anteriormente — não pertencem a nenhuma escola específica de arte e não trabalham para um sistema específico de expressão.

É precisamente por isso que os artistas profissionais são tão atraídos pelo seu trabalho.

Os artistas naïfs são independentes de outras formas de arte desde o começo. É a sua qualidade essencial.

Paradoxalmente, é sua independência que determina sua similaridade.

Eles tendem a usar o mesmo tipo de temas e assuntos; eles tendem a ter o mesmo tipo de perspectiva sobre a vida em geral, o que se traduz em muito o mesmo tipo de estilo de pintura.

E essa semelhança decorre principalmente da natureza instintiva de seu processo criativo — o que torna este estilo de arte ainda mais especial.

Nesse contexto, entre as principais obras do estilo naïf, podemos destacar:

  • The Dream, de Henri Rousseau (1910);
  • Lavagem do Bonfim e Malhação de Judas, de Wilma Ramos (1976);
  • Young Girl From Siberia, de Elena A. Volkova (1938);
  • Noah’s Ark, de Edward Hicks (1846);
  • Early Morning Work, de William Johnson (1940);
  • Pierrô com Sambistas, Heitor dos Prazeres (1964);
  • A War Party at Fort Douglas, de Peter Rindlisbacher (1823);
  • Meninos com Pipas, de Djanira Motta e Silva (1966);
  • The Trial of John Brown, de Horace Pippin (1942);
  • Bandeira do Divino, de Emídio de Souza (1945).

Estas são apenas algumas obras dos artistas mais proeminentes do Brasil e do exterior.

No entanto, a arte naïf é um estilo democrático e artistas talentosos têm surgido a todo o momento, criando obras coloridas e vivas que se relacionam com suas experiências diárias e, de forma que muitas vezes não conseguimos compreender, com as nossas próprias experiências e circunstâncias.

Não é à toa que o nosso artista naïf Fabio Fragozo é criador de obras fantásticas que tiram o fôlego de qualquer adorador de arte.

Veja algumas obras desse artista naïf e carioca da gema:

Compartilhe esta postagem

Não há comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

News Semanal

Cadastre-se para receber novidades e obras de arte exclusivas.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.

VOCÊ GANHOU 10% off na sua primeira compra 🙌

Preencha os campos para receber o cupom, agora mesmo, direto no seu email. Aproveite!

Clicando em “OK! Entendi.”, você aceita o armazenamento de cookies no seu navegador para melhorar a navegação pelo site, análise de utilização do site e também auxiliar em nossas práticas de marketing. Ao navegar pelo site, você autoriza a Camaleons.Art a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Veja nossos Termos e Condições de Uso.